Páginas

25 de maio de 2015

Reunião decidirá se Luxemburgo será demitido do Flamengo


Há dez meses no cargo de técnico do Flamengo, Vanderlei Luxemburgo nunca esteve tão perto da demissão. Os maus resultados e as fracas atuações da equipe, não só no Campeonato Brasileiro, mas no ano inteiro; fazem o treinador perder força. Reunião entre integrantes da diretoria definirá se ele seguirá à frente do elenco. As chances de demissão cresceram, obviamente, nas últimas semanas.

Além do fraco futebol da equipe, para setores do clube Vanderlei voltou a falar demais. O treinador gosta de se envolver em temas diversos e utiliza suas entrevistas para abordar assuntos além das quatro linhas, o que gera insatisfação. 
Por isso, quando contratado, foi dito a ele que seria apenas técnico de futebol, sem maiores poderes. Essa idéia foi reforçada quando formalizaram a permanência do treinador, na virada do ano. O clube contratou o treinador, não o "manager" que ele gostaria de ser.
Não ha apego por sua permanência, tanto que quando o São Paulo o procurou, foi informado que a chance de qualquer aumento para segurá-lo era zero. E se quisesse ir embora, bastaria pagar a multa. Após o empate com o Sport a avaliação interna sobre o trabalho de Luxemburgo piorou, com o time marcando mal e se mostrando incapaz de explorar seu maior potencial, o contra-ataque. Quem esperava novidade tática se decepcionou e irritação cresceu.
A paciência da diretoria com Luxemburgo depende da ala. Pela mais radical ele sequer teria começado o ano, é visto por esses como "técnico de curta duração, pouco confiável para um projeto mais longo". Se, por exemplo, o ex-vice-presidente de marketing Luiz Eduardo Baptista, o BAP, ainda estivesse no grupo, as chances de já ter deixado o clube seria maiores. Ele seria um dos que mais pressionaria pela demissão.
Também há a ala mais moderada, da qual fazem parte o presidente Eduardo Bandeira de Mello e o vice de futebol, Alexandre Wrobel. Tal grupo considerava Vanderlei a melhor opção no momento da renovação de contrato. Mas essas pessoas também estão perdendo a paciência com o técnico.
Caso caia, Jayme de Almeida assumiria, mas apenas como interino. Hoje não há chance de que o efetivem como treinador. O acordo é para atuar como auxiliar, mas sua presença significa a existência de alguém para dirigir o time por algumas partidas se for necessário. Os cartolas acham que sua efetivação após ganhar a Copa do Brasil 2013 foi um erro, que levou a outro, a contratação de Ney Franco.
Já após o empate com o Sport, uma das avaliações internas era de que contratar dois ou três jogadores não resolveria o problema atual se o time, na "zona da confusão". jogar mais vezes da mesma maneira. Tal ideia se reforçou após a derrota para o Avaí. A proximidade do jogo com o Náutico, quarta-feira, e o clássico com o Fluminense, domingo, podem proporcionar a Luxemburgo mais tempo para uma tentativa de recuperação. O grande risco, para ele, é sequer chegar até lá no cargo.
Esta é a pratica dos nossos dirigentes, qualquer tropeço, e o técnico é mandado embora. Infelizmente eles não tem tempo nem para olhar as máximas do futebol e muito menos os prejuízos que os clubes sofrem com estas demissões ou trocas sem embasamento concreto que é ou seria a solução esta medida, no minimo, tempestuosa. 

Daniel Alves indica adeus e detona o Barcelona: 'Fui desrespeitado'

Esperava-se que Daniel Alves anunciasse seu destino ou que pelo menos cravasse que, ao final de seu contrato, no fim da atual temporada, não ficará no Barcelona na entrevista coletiva que deu na manhã desta-segunda-feira, em Barcelona, na Espanha. 
Embora tenha indicado que sairá, não fez efetivamente nenhuma das duas coisas, mantendo o suspense sobre se seguirá vestindo ou não a camisa azul-grená na próxima temporada. 
"Não tenho a decisão tomada porque me fizeram várias ofertas. Vou tomar a decisão depois da final da Champions", disse.
Mas o lateral se mostrou bastante irritado e fez questão de detonar a agremiação. 
"Fui desrespeitado! Estou 200% com o time, e menos de 10% com o clube", disparou o lateral sobre a instituição que defende desde o início da temporada 2008/2009.
"Não vou nem comparar as ofertas que recebi com a que o Barcelona fez, porque o time que me deu tanta alegria perderia de goleada", seguiu o lateral-direito, de 32 anos.
"Há seis meses, não queriam renovar, daí veio a punição da FIFA e ficaram loucos para renovar", encerrou Daniel Alves. 
Segundo a mídia espanhola, o Barcelona ofereceu ao jogador um novo vínculo de dois anos, logo, até o final da temporada 2016/2017, mas com valores bem abaixo dos R$ 30 milhões por temporada que ele já teria acordado em pré-contrato com o Paris Saint-Gemain.
Em sete temporadas, o lateral brasileiro já ganhou pelo clube espanhol duas Champions, cinco Espanhóis, duas Copas do Rei, duas Supercopas da Europa, quatro Supercopas da Espanha e dois Mundial de Clubes.

Nos próximos 12 dias, Daniel Alves disputará duas finais com o Barcelona: a da Copa do Rei, no próximo sábado, dia 30, contra o Athletic Bilbao, e a da Uefa Champions League, dia 6 de junho, contra a Juventus.
Até lá, o clima entre atleta e clube será assim, hostil.
Vejam bem o salário dele, fica em torno de um milhão de dólares mensal, e ainda está reclamando certamente que não o culpo por querer ganhar mais e sem falar que casa e provavelmente o IR são pagos pelo clube, também, mas, temos que ser realistas, onde é que um salário de um jogador de futebol poderia estar neste patamar, não fossem os dirigentes "torcedores" e fanáticos que temos. 

24 de maio de 2015

Desabafo de Robinho sobre dívida e adeus caiu como uma bomba no Santos

O desabafo de Robinho desta quinta-feira caiu como uma bomba no Santos. As declarações do jogador de que irá embora se não receber o que lhe devem - cerca de R$ 3 milhões, conforme apurou a reportagem - e não descartando se transferir a rivais causou rebuliço nos bastidores do time alvinegro ao longo do dia. Seu contrato com o clube praiano vence no próximo dia 30 de junho.
Vários conselheiros influentes no Santos ficaram intrigados com as palavras de Robinho e trocaram mensagens durante toda a noite. A expectativa na diretoria era de que o jogador mantivesse as declarações habituais de que gostaria de permanecer na Vila Belmiro, mas a paciência do atacante parece ter se esgotado. Foi a primeira vez que ele falou em tom de quem possivelmente pode dar adeus em breve.
"Não adianta pensar no futuro se não tem nada certo. Tem que acertar comigo e com todos os jogadores, e depois pensar em projeto futuro. Tem que acertar as pendências não só comigo, mas com o grupo todo. E depois pensar em renovação. Eu peço o que o Santos pode pagar. Ouço que a gente tem que baixar o salário, a gente baixa, mas muitas vezes não recebe. Peço de acordo com o que o clube pode pagar, se não pagar a gente respeita", disse o jogador.
Após a entrevista, o Whatsapp dos diretores não parou ao longo do dia, com descontentamento geral pelo fato de o principal atleta santista ter desabafado e ameaçado sair caso não façam exatamente o que ele quer. Assim, com contrato até 30 de junho, o jogador deu cerca de 40 dias para o Santos correr atrás de dinheiro e quitar tudo o que lhe é devido.
Uma das declarações mais polêmicas de Robinho veio pelo fato de ele admitir atuar por rivais do Santos. "Não sei, tudo pode acontecer. Hoje o meu pensamento é ficar no clube, mas futebol as coisas mudam muito rápido, sou profissional", afirmou o atleta, que repetiu ser profissional algumas vezes. O desabafo não caiu bem entre os torcedores, revoltados nas redes sociais.
No começo de abril, a reportagem já havia adiantado que Robinho estava insatisfeito por conta dos salários atrasados, mas permanecia tranquilo pois recebia em dia a remuneração do Milan. O atleta também andava incomodado com o presidente Modesto Roma, que fazia várias promessas de que iria resolver o débito, apesar de não conseguir.
Nos últimos dias, a diretoria encaminhou um empréstimo de R$ 8 milhões junto ao BMG que promete quitar as dívidas com Robinho e o elenco. Mas a quantia ainda não caiu nos cofres santistas. Por outro lado, o camisa 7 já recebeu no início do mês cerca de R$ 3 milhões do Santos. O dinheiro veio da premiação pelo título paulista dada pela FPF.
Para permanecer na Vila Belmiro e encerrar sua carreira no Santos, Robinho quer manter o seu salário de R$ 1 milhão e assinar acordo de cinco temporadas, que lhe faria atuar profissionalmente até 2020. Além disso, o jogador quer luvas na casa dos R$ 5 milhões, fato que ainda está em discussão com o Santos.
Uma reunião entre seus representantes - seu pai e a advogada Marisa Alija - junto da cúpula santista está marcada para os próximos dias. O presidente Modesto Roma sonha em receber o empréstimo do BMG o quanto antes para dar segurança a Robinho e lhe fazer uma nova proposta de renovação contratual.
O jogador, por sua vez, quer realmente permanecer no time da Vila Belmiro. Ele é natural da região, a maior parte de seus amigos mora perto de sua casa, assim como seus parentes, além de Robinho não estar disposto a se aventurar em um novo desafio profissional. Por outro lado, caso não possa ficar, seu desejo seria atuar no Flamengo, onde tem o lobby de Zico. O Cruzeiro é outro interessado.
Sei muito bem que o Modesto Roma (atual presidente do Santos), entrou nesta fria agora, mas, infelizmente isso é uma constante nos nossos clubes, pessoas que se candidatam por razões diversas, sem ter o conhecimento necessário para presidir um clube com departamento profissional de futebol. E então querem ser o que não são, resultado estamos vendo um verdadeiro amontoado de babaquices e besteirol, até porque, pagar "luvas" para um jogador que já está no plantel, só pode ser piada e isso se deve ao seu departamento profissional de futebol com seus advogados que não tiveram a competência que deveriam ter antes mesmo de traze-lo na primeira vez.  Isto já deveria constar no contrato...que em caso de renovação, etc, etc.