Páginas

27 de abril de 2010

Bom ou ruim? CBF define cotas e novo "homem forte" da Série B.


Rio de Janeiro, RJ, 27 (AFI) - A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) definiu os últimos detalhes para o Campeonato Brasileiro da Série B. Em conselho arbitral realizado nesta segunda-feira, ficou definido uma cota de R$ 800 mil para cada time.

Além disso, o vice-presidente da Federação Paulista de Futebol (FPF), Reinaldo Carneiro Bastos, é o "homem forte" na organização da competição.

"Será uma grande missão tocar este projeto com os clubes. Estou bastante otimista com essa união entre clubes e federação (CBF). Estou muito satisfeito com a conversa, mas essa é apenas a primeira reunião", disse o cartola, garantindo que os times também saíram satisfeitos do encontro.

Apesar do otimismo exibido pelo dirigente, os clubes não tiveram muito o que comemorar. Isso porque as cotas receberam um aumento de apenas R$ 50 mil em relação ao ano passado, quando foram pagos R$ 750 mil a cada um. Neste ano, os R$ 800 mil serão pagos em oito parcelas de R$ 100 mil.

No novo acordo, há também uma diferença em relação aos custos referentes às taxas de arbitragens, passagens, estadias e exames antidoping. Em 2009, a CBF deu R$ 600 mil para os clubes administrarem todos esses gastos. Nesta temporada, a entidade comprometeu-se a arcar com as taxas de arbitragem e antidoping, além de pagar 28 passagens e estadias.

Comissão de clubes.

Os clubes, contudo, prometem não se acomodar. Também foi criado uma comissão que será responsável discutir melhorias que possam ser realizadas na organização deste campeonato e em edições futuras. A princípio, a comissão será encabeçada por América-MG, São Caetano, Sport e Figueirense.

Não está descartado, entretanto, um acordo entre os 20 clubes da Série B e o Clube dos 13. O presidente da entidade reeleito recentemente, Fábio Koff, deseja criar uma Liga de Clubes com a presença dos 40 times das duas principais divisões do país.

Além de melhorar as cotas das equipes da Série A, o Clube dos 13 pretende diminuir o abismo que existe entre as duas divisões. Embora todos os jogos da Série B sejam transmitidos (seja por TV aberta, fechada ou pelo sistema pay-per-view), o valor pago pela TV. Globo à CBF pela competição, em 2009, foi de apenas R$ 30 milhões, 6% do atual contrato com o Brasileirão é de R$ 500 milhões anuais.


Matéria enviada por: Roberto Tiburcio (RTMarketing)Agente Credenciado.

Infelizmente estamos num verdadeiro Deus nos acuda, competição que deveria ser regulada e mantida pela CBF, é repassada a outra “liga,” criado outro dirigente, e obviamente tem seus custos e outros mais interesses. Fico sem entender mais nada do papel da Confederação Brasileira de Futebol no pobre e dividido futebol brasileiro.

Um comentário:

Matheus disse...

Essa disputa política entre Fabio Koff e Kleber Leite pela Presidencia do Clube dos 13,desta vez provocou um raxa.Ricardo Teixeira Presidente da CBF apoiou Kleber,Fabio Koff,se emputeceu e tá armado o barraco.
No frigir dos ovos,penso que Ricardo Teixeira e Kleber Leite,serão os gdes derrotados nessa história toda.Mesmo porque o Brasil será na minha opinião um fiasco na Copa do Mundo da Africa do Sul.

Postar um comentário